CNTE entrevista preletora sobre "Os impactos da violência de gênero no mundo do trabalho"

Publicado em Sexta, 28 Outubro 2016 09:09

 JOR0592

Aparecida Gonçalves foi Secretária Nacional de Enfrentamento a Violência contra a Mulher da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República. Ela colaborou na elaboração e implementaçãoda Lei Maria da Penha e construiu estratégias de consolidação da mesma. Atualmente ela é Diretora Presidente da Xaraés Consultoria e Projetos e realiza debates sobre o enfrentamento à violência contra as mulheres nos Estados e Municípios brasileiros. Durante o Encontro da Rede de Mulheres, que ocorre em São Paulo, de 26 a 28 de outubro, ela palestrou sobre “Os impactos da violência de gênero no mundo do trabalho”. Após falar para as trabalhadoras da Educação das regiões Cone Sul e Andina, presentes no evento, concedeu uma entrevista à CNTE:

Aparecida GonçalvesVocê possui uma história longa com a luta das feministas brasileiras, acompanhou a estruturação de boa parte das políticas públicas que foram construídas. Quais você pontua como as mais importantes para o empoderamento das mulheres?

Várias políticas foram importantes, entre elas a própria organização do movimento feminista, que foi seguida da criação da Secretaria de Políticas para Mulheres, pelo Presidente Lula, vinculada à Presidência da República, isso nos empoderou efetivamente e nos deu um lugar de destaque no processo. Esses dois fatores, o movimento e o espaço político, permitiram conseguirmos alguns avanços: a Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06), a Lei do Feminicídio(Lei 13.104/15), a Lei das Empregadas Domésticas(Lei Complementar 150/15) que foi estratégica, as Conferências Nacionais de Políticas para Mulheres (foram realizadas quatro conferências)... Tivemos grandes conquistas nesses anos, nas últimas décadas, que são fruto, na verdade, da luta das mulheres.

Na sua exposição, você mencionou vários impactos na saúde da mulher causados pela violência, inclusive no trabalho. Pela sua experiência, quais as maiores incidências de adoecimento entre as trabalhadoras da Educação?

Acredito que seja o fator estresse, expresso em forma de hipertensão e depressão. E as mais diversas doenças que tem origem emocional. A depressão é cada vez mais comum entre os profissionais da educação, devido às más condições de trabalho, já existem diversos estudos que atestam essa realidade.

Como você pontuou durante a palestra, é muito equivocado relacionar a violência contra a mulher a uma classe social, já que é um problema cultural arraigado nas bases do patriarcado heteronormativo. Você acredita que cada esfera social tem suas peculiaridades e apresenta de uma determinada maneira essa violência?

Esse tipo de violência acontece em todas as classes sociais, não podemos nunca caracterizar como “coisa de pobre”. Mas é verdade que os pobres recorrem mais ao serviço público pois não dispõem de outros recursos enquanto que a classe alta tem seus advogados e não precisa da Defensoria Pública, por exemplo. Mas até a classe alta tem buscado os Juizados, ou ido para a Europa esperar que os hematomas desapareçam. Os números são proporcionais à parcela que cada classe ocupa na pirâmide social: os ricos são 1% da população, assim, é natural que os pobres, que representam 99%, tenham mais casos de violência reportados.

Estamos enfrentando o crescimento de uma onda conservadora que deve afetar amplamente a manutenção e a conquista de direitos para as mulheres. Quais serão os caminhos de resistência?

A resistência será feita nas ruas através de muita mobilização e ativismo, mas a disputa da hegemonia do pensamento da sociedade é fundamental, temos que escrever, colocar no papel as nossas idéias, ocupar os meios de comunicação alternativos, o espaço nas redes sociais, temos que usar a inteligência da esquerda a nosso favor em prol dos movimentos sociais para efetivamente conquistar a hegemonia na sociedade: essa é a disputa que está colocada.

Para além das bandeiras históricas do movimento feminista, oque nos falta como sociedade e quais as políticas públicasprioritárias no cenário atual?

Nós não podemos continuar segmentados, ou seja, a luta feminista ser da feminista, a sindical ser do sindicato, a luta contra o racismo ser dos negros. Nós temos que pensar uma sociedade que incorpore todos esses elementos e toda a diversidade que a constitui e desenvolver políticas públicas para isso.

Confira mais fotos do evento na página oficial da CNTE no Facebook.

 

 
 
  15/01/2018
Boletim CNTE 809
As ações de resistência para defender a democracia: a pauta em 2018 é ampliar a luta!!
INFORMATIVO CNTE 809  
 
 
INSTITUCIONAL CNTE | Resistência e Convocação para a Conape 2018 (01/12/2017)
 
 

Programa 597: CNTE faz balanço das lutas de 2017

 
 

Nota Pública: Paulo Freire continua sendo o patrono da educação brasileira

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) cobrou da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) a posse dos aprovados no concurso público de 2017. Na reunião, foi informado que o...
Sinteal e trabalhadoras/es em educação da rede pública municipal de Maceió, em assembleia realizada na tarde desta 3ª feira (16/01), na sede do sindicato, no bairro do Mutange, deram início às lutas da...
O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), subsede de Ipatinga, protocolou na Comissão Interamericana de Direitos Humanos, denúncia sobre a situação envolvendo os...
Pela primeira vez na história de atuação do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) em Paranatinga (373 km de Cuiabá), o Sindicato foi convidado para reunião com o chefe do...
O Sinteal conquistou, na justiça, uma vitória na defesa da Gestão Democrática das escolas públicas estaduais de Alagoas. Em decisão do dia 13 de janeiro, o juiz Ayrton de Luna Tenório concedeu liminar...
Foto:Ricardo Stuckert/Instituto Lula Antes do Governo do Lula, os(as) Funcionários(as) da Educação não tinham direito à política de formação continuada e nem eram reconhecidos(as) como...
Diante de resultados de inúmeras pesquisas sobre a educação brasileira, desde as inquietantes reflexões de Anísio Teixeira e Paulo Freire às últimas pesquisas da OCDE - Organização para a...
Os trabalhadores e trabalhadoras em educação, reunidos em assembleia geral na última quarta-feira (10), discutiram sobre a Campanha Salarial 2018, com base no índice de reajuste de 6,81% do Piso Nacional do Magistério...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) faz o alerta de mais uma prática do governo Taques para promover o desmonte da escola pública, de gestão pública, gratuita, laica e de...
Após inúmeras comunicações encaminhadas à Seduc e sem nenhuma reposta, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet), José Roque Santiago protocolizou...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) foi convidado para uma reunião na tarde de quarta-feira (10) com a Casa Civil e a Secretaria de Estado da Educação, para ser comunicado que os 40 mil...
Dando início à campanha salarial 2018 na rede pública municipal de educação de Maceió, o Sinteal já encaminhou à Secretaria Municipal de Educação (Semed), na pessoa da titular da...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.