Trabalhadores da Educação mobilizam o país contra reformas

Publicado em Quinta, 30 Março 2017 09:12

No dia 15 de março os professores em todo o país deram uma demonstração de força ao aderirem aos protestos contra a reforma da Previdência. O movimento da educação prossegue mobilizado com greves, assembleias permanentes, passeatas, buzinaços e aulas públicas. A iminência de aprovação do projeto de terceirização ilimitada também preocupa a categoria, que denuncia o estado de precarização das condições de trabalho na educação pelo país.

Nesta terça-feira (28) os professores do estado de São Paulo entraram em greve. Em nota, a presidenta do Sindicato Oficial dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Noronha, denunciou a jogada de Michel Temer ao anunciar a retirada dos servidores estaduais e municipais da reforma da Previdência.

“Nesta terça-feira todos os jornais publicaram a notícia de que o presidente ilegítimo Michel Temer afirmou que, se estados e municípios não fizerem a reforma em seus âmbitos de competência, prevalecerão as regras que forem aprovadas em nível federal”, esclareceu.

De acordo com Maria Izabel “devemos estar conscientes da gravidade do momento. É preciso lutar para preservarmos nosso direito à aposentadoria e, também, para recuperarmos parte do poder de compra de nossos salários, para que possamos buscar a valorização da nossa profissão e a melhoria da escola pública estadual”.

Em Belo Horizonte (MG), os professores aprovaram nesta terça-feira a continuidade da greve. A assembleia reuniu 10 mil trabalhadores. Segundo a coordenadora -geral do Sind-UTE/MG, Beatriz Cerqueira, a decisão “é um claro recado de que a classe trabalhadora não aceita nenhum direito a menos”.

“Vamos continuar mobilizando a base e nos organizando com os demais sindicatos, e Centrais sindicais, para construir a greve geral”, disse a presidenta do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Alagoas (Sinteal), Consuelo Correia. Para ela, o golpe de 2016 é responsável pela destruição da economia e agrava a recessão e o desemprego.

“A liberação total da terceirização recentemente aprovada pode destruir os concursos públicos e os direitos duramente conquistados como o Piso Nacional, Planos de Carreira e, inclusive as exigências de qualificação profissional para professores e funcionários de escola. O desmonte da Previdência Social é um crime contra todas as categorias de trabalhadores e a Reforma Trabalhista em andamento, um retrocesso de mais de um século. Se não reagirmos agora, o Congresso Nacional revogará a lei áurea”, completou Consuelo.

“Só a unidade e a luta vai fazer recuar esse projeto nefasto não só para a educação mas para toda a classe trabalhadora”, declarou Marilene Betros, dirigente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB). Na sexta-feira (24) educadores das redes municipal e estadual protestaram em frente à casa do relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA).

Nesta semana, educadores de Feira de Santana (BA) suspenderam a ocupação do prédio onde funciona a secretaria da Fazenda no município após a secretaria da educação concordar em dialogar sobre as reivindicações da categoria. Trabalhadores do Estado e do Município mantém estado de mobilização por pautas próprias e contra as reformas de Temer.

Em Porto Alegre, educadores aposentados discutiram o cenário de retirada de direitos em encontro estadual nesta terça-feira. “Hoje, temos aqui, a história mais bonita, mais combativa e forte que essa entidade já teve”, afirmou Na abertura do evento, a presidente do Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul (Cpers), Helenir Aguiar Schürer.

De acordo com ela, os aposentados são a história do Sindicato e exemplo de luta para as novas gerações. “Na época da ditadura, acreditamos na liberdade e conseguimos vencer. Hoje, vivemos novamente um momento perigoso, onde o movimento dos trabalhadores é tratado como caso de polícia. Por isso, estamos de novo nas ruas para impedir o retrocesso em nossos direitos. É pela história de cada um e de cada uma que vamos derrotar a reforma da Previdência, a terceirização, o pacote do Sartori e os ataques que virão”, afirmou.

Segundo a Coordenação da Greve Geral Nacional da Educação, composta por membros da Diretoria Executiva e dos sindicatos filiados à Confederação Nacional de Trabalhadores da Educação (CNTE), a greve tem atingido “o objetivo definido no 33º Congresso Nacional da CNTE, sobretudo no sentido de denunciar as mazelas das reformas da Previdência e Trabalhista e de intervir no processo legislativo através da aglutinação de forças com outras categorias de trabalhadores do serviço público e da iniciativa privada, além de setores que integram as Frentes Brasil Popular e Povo sem Medo”.

A CNTE avalia ainda que no dia 15 de março 98% dos sindicatos filiados à entidade participaram da mobilização. O movimento dos trabalhadores da educação prossegue com diversas formas de organização, incluindo greves por tempo determinado e indeterminado. As ações da CNTE fazem parte do calendário nacional de lutas em mobilização para a greve de 28 de abril convocada pelas centrais de trabalhadores contra as reformas de Michel Temer.

Na luta em defesa dos direitos a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee) divulgou os nomes dos parlamentares que votaram a favor da terceirização total. Nesta semana, a entidade divulgou campanha denunciando a terceirização: “Terceirização na educação é sinônimo de desconstrução e de destruição!”.

(Portal Vermelho, 29/03/2017)

 
 
  15/01/2018
Boletim CNTE 809
As ações de resistência para defender a democracia: a pauta em 2018 é ampliar a luta!!
INFORMATIVO CNTE 809  
 
 
INSTITUCIONAL CNTE | Resistência e Convocação para a Conape 2018 (01/12/2017)
 
 

Programa 597: CNTE faz balanço das lutas de 2017

 
 

Nota Pública: Paulo Freire continua sendo o patrono da educação brasileira

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) cobrou da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) a posse dos aprovados no concurso público de 2017. Na reunião, foi informado que o...
Sinteal e trabalhadoras/es em educação da rede pública municipal de Maceió, em assembleia realizada na tarde desta 3ª feira (16/01), na sede do sindicato, no bairro do Mutange, deram início às lutas da...
O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), subsede de Ipatinga, protocolou na Comissão Interamericana de Direitos Humanos, denúncia sobre a situação envolvendo os...
Pela primeira vez na história de atuação do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) em Paranatinga (373 km de Cuiabá), o Sindicato foi convidado para reunião com o chefe do...
O Sinteal conquistou, na justiça, uma vitória na defesa da Gestão Democrática das escolas públicas estaduais de Alagoas. Em decisão do dia 13 de janeiro, o juiz Ayrton de Luna Tenório concedeu liminar...
Foto:Ricardo Stuckert/Instituto Lula Antes do Governo do Lula, os(as) Funcionários(as) da Educação não tinham direito à política de formação continuada e nem eram reconhecidos(as) como...
Diante de resultados de inúmeras pesquisas sobre a educação brasileira, desde as inquietantes reflexões de Anísio Teixeira e Paulo Freire às últimas pesquisas da OCDE - Organização para a...
Os trabalhadores e trabalhadoras em educação, reunidos em assembleia geral na última quarta-feira (10), discutiram sobre a Campanha Salarial 2018, com base no índice de reajuste de 6,81% do Piso Nacional do Magistério...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) faz o alerta de mais uma prática do governo Taques para promover o desmonte da escola pública, de gestão pública, gratuita, laica e de...
Após inúmeras comunicações encaminhadas à Seduc e sem nenhuma reposta, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet), José Roque Santiago protocolizou...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) foi convidado para uma reunião na tarde de quarta-feira (10) com a Casa Civil e a Secretaria de Estado da Educação, para ser comunicado que os 40 mil...
Dando início à campanha salarial 2018 na rede pública municipal de educação de Maceió, o Sinteal já encaminhou à Secretaria Municipal de Educação (Semed), na pessoa da titular da...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.