SP: Não vamos permitir que Temer paralise o Brasil

Publicado em Quarta, 14 Dezembro 2016 08:41

banner giro pelos estados

A aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 55 no Senado Federal neste dia 13 de dezembro se constitui num dos maiores crimes do Estado e da elite contra o povo brasileiro. Esta PEC congela por vinte anos os investimentos públicos e significará o desmonte de todos os serviços públicos, com violentos impactos na educação, na saúde, na seguridade social, habitação, programas sociais e no conjunto da economia, tendo em vista a redução total do insubstituível papel do Estado como indutor do desenvolvimento nacional.

Por infeliz coincidência, a data da aprovação da “PEC da morte” coincide com a data da criação, em 1968, do Ato Institucional nº 5, medida autoritária que inaugurou a fase mais repressiva e sangrenta da ditadura militar brasileira.

O comportamento dos deputados e senadores, os mesmos que cassaram o mandato da presidenta legítima do Brasil num falso processo de impeachment (porque não houve crime que o justificasse), na mesma semana em que o início da delação premiada da Odebrecht implicou o presidente ilegítimo Michel Temer, ministros, governador, deputados e senadores em graves denúncias de corrupção, mostram o quanto o parlamento está divorciado da população e se configura como um obstáculo ao futuro do nosso povo.

A PEC 55 foi qualificada por Philip Alston, relator da ONU para pobreza extrema, como uma "medida radical, desprovida de toda nuance e compaixão". Ele disse também que vai atingir com mais força os brasileiros mais pobres e mais vulneráveis, aumentando os níveis de desigualdade em uma sociedade já extremamente desigual e, definitivamente, assinala que para o Brasil os direitos sociais terão muito baixa prioridade nos próximos vinte anos. De acordo com o relator da ONU, a PEC 55 viola o Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais ratificado em 1992.

Nada, entretanto, foi capaz de deter a mão destruidora do governo Temer, que mandou reprimir com violência as manifestações contrárias (como as que ocorreram no dia 29 de setembro em Brasília) e está fazendo tramitar no Congresso Nacional outras medidas que vão no sentido da retirada de direitos, redução da capacidade do Estado, sucateamento dos serviços públicos, indução à reconcentração da renda nacional, extinção de programas sociais e desregulamentação total das relações trabalhistas, para facilitar a exploração dos trabalhadores e o aumento das taxas de lucros, fazendo recair sobre a classe trabalhadora os efeitos da crise.

A PEC 55 vem acompanhada da reforma da previdência, reforma do ensino médio, PLP 257 (que impede concursos e contratações e aumentos salariais no setor público), reforma trabalhista, para retirar direitos históricos como 13º salário, 1/3 sobre as férias, a multa sobre o FGTS nos casos de dispensa imotivada; e fazer prevalecer em todos os casos o negociado sobre o legislado, ou seja, a força do patrão vai se impor aos trabalhadores, sem garantia legal de direitos.

Este é o país que os golpistas estão impondo aos brasileiros. Para isto depuseram Dilma Rousseff. Para isto estabeleceram durante todo o seu segundo mandato, enquanto durou, a prevalência do legislativo sobre o executivo, impedindo-a de governar. Criaram uma situação de paralisia e agora criam o caos e o sucateamento do Estado, para justificar terceirizações, privatizações e transferências de serviços públicos para a iniciativa privada, ao mesmo tempo em que os recursos do Estado, antes destinados às políticas públicas, migrem para o setor financeiro, por meio do pagamento de juros altos, serviços de previdência privada em larga escala e outros negócios.

Nós, trabalhadores e trabalhadoras, do serviço público e das empresas privadas, sempre lutamos contra as legislações que nos prejudicam, sempre reivindicamos nossos direitos e, mesmo sob ditadura, nunca aceitamos passivamente a mão pesada dos governos autoritários sobre as nossas cabeças. Não nos calaremos agora e não aceitaremos mais esta imposição. Não nos dobraremos à vontade de um governo tirano e opressor. Contra ele nos mobilizaremos, iremos à greve, utilizaremos a desobediência civil, instrumento legítimo na luta contra a opressão.

Lutaremos como nunca. Reivindicaremos ainda mais, em defesa de nossos direitos e das futuras gerações.

Maria Izabel Azevedo Noronha
Presidenta da APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo)

 
 
 
 
CNE debate os preparativos para a greve geral (17/02/2017)
 
 

Programa 581: CNE espera agregar ainda mais entidades para a greve geral

 
 

FMLN condena golpe de estado contra presidenta Dilma Rousseff no Brasil

 
  10/02/2017
Boletim CNTE 780
As antirreformas de Temer e seus resultados desastrosos
INFORMATIVO CNTE 780  
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Após diversas solicitações de audiência pela entidade, o segundo encontro da APLB Feira com o Governo Municipal, que seria realizado hoje às 17h no Ceaf, foi adiado pelo município no fim da manhã, para o...
Em luta contra a aprovação da reforma da Previdência do governo golpista de Michel Temer que vai trazer grandes prejuízos à classe trabalhadora, o Sinteal realizou, na manhã desta terça-feira (21), um...
Muitas escolas do país não iniciarão o período letivo como o previsto no calendário escolar. Questões que vão dos salários na Educação ao Novo Ensino Médio, passando pela...
Em audiência com o presidente do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE), Clóvis Barbosa, na quarta-feira (15), o vice-presidente do Sintese, professor Roberto Silva, apresentou estudo realizado pelo sindicato que mostra o...
Os trabalhadores em educação, reunidos em assembleia geral nesta segunda-feira (20), no Clube do SINTE-PI, decidiram por maioria suspender o movimento grevista, mas permanecer em estado de greve e fortalecer a mobilização da...
O documento “Previdência: reformar para excluir?” foi elaborado nos últimos cinco meses por diversos especialistas em economia, direito, proteção social e mercado de trabalho. Organizado por iniciativa da...
Segue o documento produzido por Adriana Marcolino da subseção do Dieese na CUT nacional, com base na exposição realizada na reunião da FBP-SP, que contém a crítica aos principais argumentos utilizados por...
Milhares de servidores estaduais de todas as categorias se concentraram em frente à prefeitura de Porto Velho na manhã desta segunda-feira (20), no primeiro dia de greve geral no serviço público municipal. Os...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), por meio de seu Conselho Nacional de Entidades (CNE), que reuniu em Brasília, nos últimos dias 16 e 17 de fevereiro de 2017, 120 dirigentes de...
Por todo o Estado, milhares de trabalhadores/as em educação ACTs participaram das chamadas da escolha de vagas. E, a exemplo dos anos anteriores, o descaso se repetiu. Muitas Gereds, principalmente nas maiores cidades, não...
Já estamos há cinco dias de greve na rede estadual de educação do Piauí e até o momento o governador Wellington Dias não apresentou qualquer proposta à categoria afim de resolver a...
Nos últimos anos algo perverso tem se repetido no município de Campo Formoso – Bahia, base de atuação do SISE – Sindicato dos Servidores da Educação. O processo iniciou-se na mudança de...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - CNTE na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003
Fax: +55 (61) 3225-2685

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.