SE: Sintese apresenta, na Alese, que a destruição da carreira do magistério e desmonte da educação são opções políticas do governo

Publicado em Sexta, 16 Junho 2017 11:27

A presidente do Sintese, Ivonete Cruz, mostrou, durante sua fala no grande expediente da Assembleia Legislativa de Sergipe desta quarta-feira (14), que a destruição da carreira do magistério foi uma opção política do governo do Estado a partir do momento em que reduz a matrícula, não investe o mínimo de 25% das receitas na educação e não reajusta o piso do magistério na carreira.

A iniciativa foi da deputada estadual Ana Lúcia, por meio de requerimento apresentado à Casa Legislativa em abril deste ano.

Dados coletados no Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) e no FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) mostram que, entre 2012 e 2016, a rede estadual de Sergipe perdeu 38.086 estudantes. Traduzindo em números, a educação do estado deixou de receber de recursos do FUNDEB (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização do Profissionais da Educação) quase R$127 milhões de reais.

A política estadual de reduzir matrícula tem duas consequências graves: a negação do direito a Educação aos estudantes e também a queda dos recursos, que por sua vez afeta o magistério. “A política implantada na rede estadual é de desmonte da educação, porque o governo do Estado tem uma política de perda de aluno, com fechamento de escolas e que agora vai se acentuar ainda mais por conta do modelo imposto pela SEED de ensino médio em tempo integral”, lamentou Ivonete.

Ao impor um modelo de ensino médio em tempo integral sem um diagnóstico, que não leva em consideração as realidades educacionais e não apresenta solução para os estudantes do ensino fundamental que não poderão ficar nessas unidades de ensino, a Secretaria de Estado da Educação aprofunda ainda mais o problema vivido na rede estadual.

“A perda anual de recursos nas 26 escolas onde modelo de ensino médio em tempo integral foi imposto pela SEED, ultrapassa a casa dos 21 milhões de reais. Isso é extremamente grave em um cenário onde as escolas precisam de infraestrutura e o plano de carreira e a lei do piso precisam ser cumpridos”, aponta,

Governo do Sergipe não investe o mínimo de 25% na Educação em 2015 e 2016

Ivonete Cruz também apresentou que, além da política de desmonte da educação por meio da redução das matrículas, o governo de Sergipe também não cumpriu o dever constitucional de aplicar o mínimo de 25% das receitas na Educação nos anos de 2015 e 2016.

Analisando os dados dos relatórios apresentados pela Secretaria de Estado da Fazenda ficou claro que Sergipe só gastou 25% dos recursos da Educação porque utilizou os recursos para aporte na previdência e para pagamentos ilegais. Subtraindo estes valores chega-se ao percentual de 22,51% na Educação em 2015. Em 2016 a situação fica pior, pois o percentual chega a somente 18,82%. Em um cenário em que os professores amargam a destruição da carreira e o governo diz que não há recursos, mas usa o dinheiro da Educação para outros fins.

Empobrecimento do magistério

Desde a não implantação do reajuste do piso nas carreiras em 2012, que o magistério da rede estadual tem sofrido perdas em seu poder de compra. Soma-se a isso o não cumprimento da lei do piso nos anos de 2015, 2016 e 2017 e o resultado é o empobrecimento da categoria. Hoje o professor em início e no final carreira, seja ele com formação em nível médio, graduação, pós-graduação e mestrado (esse último com até nove anos de carreira) tem o mesmo vencimento inicial.

Na prática, isso significa que, entre 2012 e junho de 2017, os professores e professoras da rede estadual de Sergipe têm uma perda que varia entre R$ 24 mil e R$ 162 mil.

Mito da queda das receitas

A fala da presidenta do Sintese, na Assembleia Legislativa, também foi importante no sentido de derrubar um mito. O mito de que o reajuste do piso não é implantado devido à queda nas receitas.

Ela apresentou dados dos relatórios da Secretaria de Estado da Fazenda que mostram crescimento em todas as receitas seja no Fundo de Participação dos Estados - FPE, no ICMS, no FUNDEB e no IPVA.

A dirigente sindical questiona como se justifica esse desmonte da Educação, esse arrocho e essa destruição da carreira do magistério quando todos os indicativos das receitas estaduais demonstram crescimento.

Para ela, é necessário que se faça um debate sobre as contas do Estado. “Chegamos ao limite. O governo não pode continuar tratando a educação como tem sido tratada nos últimos anos, durante esta gestão. O governo do estado tem uma dívida imensa que se avoluma mês a mês e ele não apresenta uma solução. Os problemas precisam ser debatidos, mas acima de tudo, é preciso ação, é preciso proposta, é preciso mudar a politica”, destacou Ivonete Cruz.

Durante o debate, a deputada Maria Mendonça sugeriu e a deputada Ana Lúcia irá apresentar requerimento para que seja formada uma comissão de deputados que auxiliem na mediação e na busca de apresentar uma solução do problema.

(Sintese, 16/06/2017)

 
 
  19/06/2018
Boletim CNTE 815
Instituto divulga relatório sobre o PNE e os resultados tendem a piorar
INFORMATIVO CNTE 815  
 
 
Heleno Araújo conclama categoria para apoiar greve dos eletricitários
 
 

Programa 602: Heleno Araújo participa de audiência pública no senado sobre violência nas escolas

 
 

Lula é um preso político! A ditadura escancarada de Temer só sucumbirá com o povo nas ruas!

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Os membros da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Piauí (ALEPI) se reuniram à portas fechadas com seus membros a mando governador Wellington Dias para aprovar o reajuste de...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos profissionais do setor público da educação básica brasileira, declara o seu APOIO aos/às...
Os trabalhadores em Educação da rede municipal de Goiânia realizaram novo Ato Unificado, com Assembleia da categoria, na manhã desta quinta-feira (21), na Câmara de Vereadores. Durante a Assembleia foi informado...
Uma decisão liminar determinou que a prefeitura de Guaraí (TO) assegure a professora da rede municipal, Iolanda Bastos, o direito de licença para mandato classista, inclusive com reconhecimento como hora trabalhada na...
A juíza Fabiana Oliveira de Castro julgou procedentes as ações judiciais impetradas pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica da Rede Oficial de Sergipe (Sintese) e decidiu que os educadores que se...
A assessoria jurídica do Sintero concluiu o estudo acerca da Medida Provisória 817 sancionada com vetos e convertida na Lei nº 13.681, confirmando que as emendas propostas pelo Sintero e apresentadas pelo senador Valdir Raupp foram...
O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e coordenador do Fórum Nacional Popular de Educação (FNPE), Heleno Araújo, participou, hoje (20), do Seminário...
A subsede do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) em Várzea Grande conseguiu ganho de causa em uma ação civil pública para o pagamento de 1/3 de hora-atividade para os/as...
Trabalhadores em educação do município de Ponte Alta (TO) realizaram nesta quarta-feira, 20 de junho, manifestação contra as atrocidades cometidas pelo prefeito contra os profissionais. De acordo com a categoria, a...
Professores aposentados de várias regionais do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma) participaram do 5º Encontro Estadual de Professores Aposentados, realizado na...
A presidente do Sintet Regional de Guaraí (TO), Iolanda Bastos e o Secretário de Saúde do Trabalhador do Sintet Reg. Guaraí, professor João Machado cobraram o cumprimento das progressões e PCCR em Colmeia,...
A mobilização por valorização dos/as servidores/as públicos/as de Maceió continua forte. Com paralisação marcada para esta quarta e quinta-feira (20 e 21/06), o movimento unificado realizou, na...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.