PR: Dívida do Banestado prejudica servidores(as) estaduais pela segunda vez

Publicado em Segunda, 09 Outubro 2017 11:05

banners giro pelos estados 2

Em outubro de 2017 completam 17 anos que o Banco Banestado foi privatizado. O Banestado, que era público e foi vendido ao Banco Itaú durante a gestão Lerner, deixou uma dívida bilionária que prejudica os(as) servidores(as) públicos(as) até hoje.

Para compreender como essa dívida afeta o funcionalismo público, o economista Cid Cordeiro explica como ela foi gerada. “Em 1994, com a implantação do Plano Real, houve uma queda na inflação e também uma diminuição da rentabilidade dos bancos. Por grandes problemas de gestão, os bancos estaduais tiveram maiores dificuldades diante do novo cenário econômico do período. A inflação, antes do Plano Real, era de 84% ao mês e os bancos lucravam muito com os juros. Com a queda da inflação, veio a redução dos ganhos”, explica.

O economista explica que a má gestão do Banestado implicou em uma série de problemas. “Os bancos faziam empréstimos não com critérios técnicos e garantias reais, mas com critérios políticos. Com o banco em crise – assim como outros, em diferentes Estados brasileiros – o governo federal se propôs a assumir as dívidas do Banestado desde fosse privatizado”, conta.

Neste momento, o Banestado tinha uma dívida de R$5 bilhões gerados por empréstimos. “O governo federal emprestou o dinheiro que cobria esse furo e, então, constituiu-se uma dívida do Estado com o tesouro nacional. Essa dívida era calculada pelo Índice Geral de Preços do Mercado, o IGPM, e mais 6%. Na época, pareceu um acordo interessante por apresentar um valor menor do que financiar uma dívida no mercado financeiro. Mas, com o tempo, se tornou um custo alto por causa do seu indexador, juros e correção monetária”, avalia Cid.

Graças à condições em que o Banestado foi vendido, o Paraná se tornou protagonista de uma grande dívida. Durante o período Lerner (1995 – 2003), os(as) servidores(as) ficaram 8 anos sem reajuste salarial. “Os servidores estão sendo penalizados pela segunda vez. No momento atual, a penalização vem do governo federal que, para amenizar os caixas dos estados e dar 6 meses de carência das dívidas em 2016, exige um teto de gastos. Ou seja, no orçamento de 2018 e 2019, as despesas não podem subir acima da inflação, do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). O Estado devia 5 bilhões, já pagou 13 e ainda deve 9 bilhões por causa dos juros”, calcula.

Diante de um cenário de ataques aos(às) servidores(as) públicos(as), o presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Leão, avalia que a má gestão pública não pode afetar a classe trabalhadora. “É inadmissível que uma dívida de quase 20 anos continue afetando os trabalhadores que movimentam o Estado. Privatizar o Banestado estava dentro de um pacote neoliberal do governo de Fernando Henrique Cardoso e isso gerou milhares de desempregos com o passar do tempo. E, além dos trabalhadores que foram demitidos pelo Banco Itaú que comprou o Banestado, hoje os servidores se vêem diante de um cenário de perda real de salários. A dívida do governo com os educadores só aumenta e isso só gera mais desgaste e sucateamento da educação pública”, destaca Hermes.

A APP-Sindicato e o Fórum das Entidades Sindicais (FES) fazem pressão na Assembleia Legislativa do Paraná para que o Projeto de Lei 556/2017 – que estabelece teto de gastos para os próximos dois anos – não seja aprovado. “O governo do Estado já deve 8,53% aos servidores(as) e, com a limitação dos gastos, essa dívida deve aumentar e chegar a um patamar de 14%”, explica Cid. “Nós estamos lutando contra uma série de ataques do governo que quer reduzir o tamanho do Estado. Privatizações, reformas trabalhista e da previdência, ataques diretos aos trabalhadores fazem parte desse cenário. Nossa luta é ampla e a categoria precisa estar unida para resistir aos ataques”, finaliza Hermes.

(APP-Sindicato, 9/10/2017)

 
 
  20/11/2017
Boletim CNTE 806
Dia 20 de novembro é Dia da Consciência Negra: por uma escola sem racismo!
INFORMATIVO CNTE 806  
 
 
INSTITUCIONAL CNTE | Resistência e Convocação para a Conape 2018 (01/12/2017)
 
 

Programa 596: Campanha "Saber Amar é Saber Respeitar" estimula o combate à violência contra a mulher

 
 

Nota Pública: Paulo Freire continua sendo o patrono da educação brasileira

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Os profissionais da Educação básica da rede municipal de Miracema do Tocantins aguardam publicação da concessão das progressões vertical e horizontal do magistério. O edital que dispõe...
A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado aprovou, nesta quinta-feira (14), o relatório apresentado pela senadora Fátima Bezerra para manutenção do título de Patrono da...
Em tempos de golpe, o Brasil deve ficar sempre atento e vigilante com os ataques incessantes aos direitos sociais conquistados com muita luta ao longo dos anos. O debate legislativo no país deve ser acompanhado de forma permanente porque...
Profissionais das redes públicas municipais e estaduais de ensino discutem em Brasília os precatórios do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental (Fundef), com vigência entre 1997 e 2006, cujo...
A Delegacia Sindical do Planalto da APLB em Cruz das Almas sediou, na terça (12), na Câmara Municipal de Cruz das Almas, uma reunião extraordinária da regional Serrana. O encontro com diretores de núcleos e delegacias...
O dia 14 de dezembro de 2017 representa uma importante vitória dos/as educadores/as brasileiros/as e de todos/as aqueles/as que lutam por uma educação emancipadora. A Comissão de Direitos Humanos e Legislação...
Desde outubro, o programa de entrevistas Canal Livre, da TV Bandeirantes, faz sabatinas com possíveis presidenciáveis. Jair Bolsonaro, Ciro Gomes, Álvaro Dias e Manuela D'Ávila estiveram na bancada e falaram sobre seus...
Na manhã desta quinta-feira (14/12), a secretária de finanças da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e diretora financeira do Sindicato dos Professores do Distrito Federal...
A importância de se garantir a continuidade do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais de Educação (Fundeb) ultrapassou as...
O que era para ser uma ferramenta importante para diminuir o trabalho burocrático do/a professor/a, melhorando suas condições de trabalho e otimizando o tempo para que pudesse se dedicar às questões pedagógicas...
Inaceitável a truculência da repressão policial contra professores, estudantes e outros segmentos sociais que se manifestavam nesta terça-feira, 12/12, na Câmara Municipal de São Paulo, contra o projeto que tem...
Trabalhadores em Educação da rede municipal de Presidente Kennedy realizaram protestos durante sessão na Câmara de Vereadores, na segunda-feira (11/12), contra o projeto de lei (PL N° 009 de 06/11/2017) de autoria do...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.