BA: Sobre educação, universidades e carroças - o que representa a Univerão em Lauro de Freitas

Publicado em Sexta, 12 Janeiro 2018 15:43

banners giro pelos estados 2

Diante de resultados de inúmeras pesquisas sobre a educação brasileira, desde as inquietantes reflexões de Anísio Teixeira e Paulo Freire às últimas pesquisas da OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, podemos afirmar que a educação básica brasileira pode ser comparada a uma velha carroça transitando numa grande avenida. Quando criada, funcionava e fazia algum sentido, nos dias de hoje, com os avanços da modernidade (ou pós-modernidade), comporta-se como um objeto lento, atrasado, conduzida por quem sequer consegue enxergar o que está a sua frente.

Em Lauro de Freitas (REGIÃO Metropolitana de Salvador), a realidade não é diferente, a degradante situação que se encontra o ensino infantil e o fundamental são extremamente preocupantes. Mais de 80% das crianças (laurofreitenses-ipitanguenses) estudam em prédios que sequer deviam ser chamados de escolas (sem bibliotecas, computadores, quadras de esportes, sala de professores ou laboratórios, instalações precárias que oferecem risco de incêndio). Além da péssima estrutura física, ainda há a falta de materiais básicos como carteiras, mesas, ventiladores, computadores, telefones, materiais de limpeza, sem falar na merenda de qualidade duvidosa. Vergonhosamente, não há nenhum projeto de educação no Município que aponte para alguma solução ou para melhorias. Nada que se faça vislumbrar a tão prometida ‘Cidade Educadora.’

No início de 2017, a atual gestão anunciou o projeto “Cidade Educadora” com o qual demonstrou que toda a cidade seria o ambiente para construirmos enfim, uma educação de qualidade no município. O projeto envolveria parceiros de outros níveis de educação, como universidades públicas, Institutos Federais, outras secretarias municipais e a sociedade civil organizada.

Para decepção dos trabalhadores em educação e da comunidade escolar, durante o ano de 2017 a educação no município passou por uma de suas piores fases, total falta de estrutura, falta de apoio pedagógico e nem sinal da “Cidade Educadora”. Todos os esforços da SEMED foram canalizados para outro objetivo: a construção de uma Universidade: a Universidade de Verão.

Talvez, achando pouca a precarização e a desestruturação de nossa educação básica a gestão da prefeita Moema Gramacho decidiu drenar recursos já precários para um projeto de universidade. Enquanto, em todo o país, discute-se como ampliar os recursos do ensino básico, em Lauro de Freitas, os recursos que deveriam ser destinados ao ensino básico que é a responsabilidade do município, são usados para criar uma Universidade de Férias.

É de impressionar a estrutura organizada em torno da Univerão: a participação das outras secretarias; o projeto pedagógico condizente com a atualidade, interdisciplinar e contextualizado; o diálogo direto com a comunidade; a parceria com outros centros de saber e, especialmente, os recursos destinados. A qualidade técnica e administrativa da Univerão demonstra que a prefeitura sabe fazer, mas quando se trata de educação básica, não quer; tem dinheiro para investir, mas escolhe precarizar; tem poder de articulação com as outras secretarias para tratar da educação, mas tem outras prioridades (o único momento que durante o ano essa gestão se articulou com outras secretarias para discutir a educação real da cidade, a que acontece nas escolas para nossas crianças foi com a secretaria da Fazenda para dizer que não tinha dinheiro).

Olhar para os problemas da educação laurofreitense/ipitanguense e ter como solução a Univerão é como olhar para uma carroça que transita entre velozes carros numa avenida e ter como solução pintar a carroça e instalar um moderno equipamento de som.

A verdade é que não precisamos de projetos que atendam demandas da educação do município em apenas 7 dias. Precisamos de projetos que solucionem ou, ao menos que amenizem as precariedades a que estão submetidos os profissionais da educação e especialmente os filhos da classe trabalhadora, que estudam na escola real e não na Universidade de shows e fantasias.

(ASPROLF, 12/01/2018)

 
 
  15/01/2018
Boletim CNTE 809
As ações de resistência para defender a democracia: a pauta em 2018 é ampliar a luta!!
INFORMATIVO CNTE 809  
 
 
INSTITUCIONAL CNTE | Resistência e Convocação para a Conape 2018 (01/12/2017)
 
 

Programa 597: CNTE faz balanço das lutas de 2017

 
 

Nota Pública: Paulo Freire continua sendo o patrono da educação brasileira

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Trabalhadores e trabalhadoras da rede municipal de Educação de Sinop denunciam que a atual gestão se nega a cumprir o Plano Municipal de Educação (PME), enquanto deixa os recursos da Educação parados na...
O Coletivo de Mulheres do Sinte-PI esteve reunido na manhã desta quinta-feira (18) na sede do sindicato para tratar de pautas importante e urgentes para o segmento. Estiveram presentes representantes dos Núcleos Regionais de Água...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) cobrou da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) a posse dos aprovados no concurso público de 2017. Na reunião, foi informado que o...
Sinteal e trabalhadoras/es em educação da rede pública municipal de Maceió, em assembleia realizada na tarde desta 3ª feira (16/01), na sede do sindicato, no bairro do Mutange, deram início às lutas da...
O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), subsede de Ipatinga, protocolou na Comissão Interamericana de Direitos Humanos, denúncia sobre a situação envolvendo os...
Pela primeira vez na história de atuação do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) em Paranatinga (373 km de Cuiabá), o Sindicato foi convidado para reunião com o chefe do...
O Sinteal conquistou, na justiça, uma vitória na defesa da Gestão Democrática das escolas públicas estaduais de Alagoas. Em decisão do dia 13 de janeiro, o juiz Ayrton de Luna Tenório concedeu liminar...
 As inscriçõess para o Fórum Social Mundial 2018 (FSM 2018) já estão abertas no site www.fsm2018.org. Os interessados podem se inscrever nas modalidades: Participante, Comitê e Grupo de Trabalho, Entidade,...
Foto:Ricardo Stuckert/Instituto Lula Antes do Governo do Lula, os(as) Funcionários(as) da Educação não tinham direito à política de formação continuada e nem eram reconhecidos(as) como...
Diante de resultados de inúmeras pesquisas sobre a educação brasileira, desde as inquietantes reflexões de Anísio Teixeira e Paulo Freire às últimas pesquisas da OCDE - Organização para a...
Os trabalhadores e trabalhadoras em educação, reunidos em assembleia geral na última quarta-feira (10), discutiram sobre a Campanha Salarial 2018, com base no índice de reajuste de 6,81% do Piso Nacional do Magistério...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) faz o alerta de mais uma prática do governo Taques para promover o desmonte da escola pública, de gestão pública, gratuita, laica e de...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.