BA: Reunião da Diretoria Executiva (capital e interior) da APLB-Sindicato define ações para o mês de fevereiro

Publicado em Sexta, 02 Fevereiro 2018 14:29

Reuniao Diretoria Executiva Hotel Sol Barra 30 01 2018 3

A APLB-Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia realizou na terça-feira (30), durante todo o dia, no auditório do Sol Barra Hotel, em Salvador, uma reunião da sua Diretoria Executiva (capital e interior) para deliberar sobre a pauta de ações no mês de fevereiro.

A mesa dos trabalhos formada pela manhã teve na direção a vice-coordenadora do sindicato, professora Marilene Betros; a diretora Silvana Coelho, e o presidente da CTB-BA, Pascoal Carneiro, que foi o palestrante do evento.
No período da tarde, com o coordenador do sindicato, professor Rui Oliveira, na direção dos trabalhos, a plenária decidiu: Realizar o Conselho Geral da APLB-Sindicato nos dias 23, 24 e 25 de fevereiro.

Fazer uma Moção de Repúdio contra o humorista Renato Fechine pelas covardes agressões desferidas contra sua companheira. Ao mesmo tempo, o sindicato pede à Polícia e à Justiça providências contra o agressor. “A APLB-Sindicato é um dos pilares da luta contra o feminicídio, contra qualquer agressão à mulher, não podemos deixar um caso desse passar impune”, afirmou Marilene Betros.

Fazer uma Moção de Repúdio ao assassinato do líder do MST Mário Matos. A APLB-Sindicato pede providências à Polícia, à Justiça e ao governador Rui Costa para desvendar o covarde crime. “A luta no campo continua. Aqueles que batalham por uma vida justa e de igualdade social sofrem o que Márcio Matos sofreu: ser assassinado em um acampamento de sem terra e na frente do seu filho de 6 anos de idade”, comentou, indignado, Rui Oliveira.

Outra deliberação foi a de seguir as orientações das centrais sindicais e da CNTE na luta contra a Reforma da Previdência, realizando manifestações no aeroporto de Salvador nos dias 6 e 19 de fevereiro (neste dia haverá paralisação nacional).

Por fim, definiu-se também que a Diretoria Executiva, em Salvador, e a Estadual, nos Municípios interioranos, devem participar da Jornada Pedagógica.

Debates durante a manhã

Voltando aos debates no período matutino, em sua palestra – que foi muito aplaudida e elogiada – Pascoal Carneiro, presidente da CTB-BA, falou do julgamento do ex-presidente Lula, destacando sua surpresa em perceber juízes que deveriam julgar, emitindo opiniões e demonstrando militância política em ataques pessoais contra o líder petista.

Pascoal criticou o governo de Michel Temer, considerando-o um instrumento das forças retrógradas de direita para combater as conquistas dos trabalhadores. Falou das propostas atrasadas de acabar com a Previdência Social em favor da previdência complementar.

O presidente estadual da CTB criticou também o que considerou equívocos dos governos Lula e Dilma e a inércia de movimentos sociais que deixaram de ir para as ruas e assim perderam espaço e credibilidade popular. Para ele, este é o principal desafio de sindicatos e outras entidades sociais: trazer o povo para a luta, para as ruas, uma vez que Lula continua disparado nas pesquisas para presidente da República e com o crédito político inabalado entre as massas.

Discursos dos dirigentes

Após a palestra de Pascoal Carneiro, foi a vez dos dirigentes da APLB-Sindicato se manifestarem. O primeiro foi Oduvaldo Terencio Bento, que lembrou do Montepio da Família Brasileira para exemplificar o engodo da previdência privada.

Paulo Bonfim Filgueiras da Silva, em seguida, acrescentou mais críticas à previdência privada e levantou suspeitas sobre espionagens norte-americanas no Brasil, com finalidade de enfraquecer os governos populares e democráticos.

Jurandir Gregório Nascimento Júnior falou de equívocos cometidos nos governos Lula e Dilma que retrocederam direitos dos trabalhadores, principalmente na reforma previdenciária. Ele afirmou que é uma balela a afirmação do governo Temer de que a Previdência é deficitária. Para ele, isto é pretexto para acabar com a Previdência Social.

Adriana Oliveira de Souza, diretora da Regional Diamantina Sul, manifestou sua tristeza e indignação por as forças sociais não terem conseguido se mobilizar fortemente em defesa do ex-presidente Lula no seu julgamento realizado na semana passada pelo TRF-4, em Porto Alegre.

Marcelo Jorge de Almeida Araújo enfatizou que a culpa maior da inércia atual dos movimentos sociais cabe às lideranças e que é preciso investir na juventude para que sindicatos e outras entidades voltem a ser fortes.

Nivaldino Felix apontou como condição objetiva para o povo se levantar contra o governo Temer as reformas e ataques aos direitos trabalhistas e previdenciários, mas que subjetivamente isto não acontece devido à falta de força dos movimentos sociais. Para ele, sindicatos e outras entidades se acomodaram durante os governos de Lula e Dilma e agora têm dificuldade em levar o povo às ruas.

José Lourenço Souza Dias entende que os partidos de esquerda perderam sua identidade, por seus dirigentes principais darem mais importância à direção da máquina burocrática. Ele criticou parlamentares e prefeitos dos partidos de esquerda que não colocam seus gabinetes a serviço do povo e nem aparecem de fato nos movimentos populares.

Silvana Coelho falou da importância de desmitificar a Reforma da Previdência, anunciada pelo governo de Temer como algo bom para os trabalhadores, e que para isso os sindicalistas devem se preparar para informar corretamente as massas populares.

Valdice Edington crê que os movimentos sociais se desviaram da sua principal ação, a de liderar o povo, ao ficarem nos gabinetes e se beneficiando do poder, nos governos de Lula e Dilma.

Gercy Rosa fez uma análise histórica do Brasil contemporâneo, concluindo que, infelizmente, a história tem se repetido e os trabalhadores não têm avançado verdadeiramente em suas ações. Ela conclama negros e mulheres a irem à luta.

Delsuc da Silva Machado se considerou contemplado em seu discurso pelas falas de Nivaldino Felix e Valdice Edington, e sugeriu que os dirigentes de sindicatos e outros movimentos sociais fossem à luta nos locais de grande aglomeração popular. Ele criticou a juventude atual, percebendo-a alienada.

Cassiano Benevides de Matos, diretor da Regional Litoral Norte, afirmou que há 15 anos segue sugestão da diretora de Organização, Ivone Alves de Azevedo de conscientizar as pessoas para a luta por melhores condições de trabalho e de igualdade social e por um Brasil mais justo. No entanto, afirmou, “os guerreiros sindicalistas vão diminuindo e a alienação se alastrando”.

José Francisco Pereira, diretor da Regional Sisaleira, afirmou que o governo Lula fez muitos sindicalistas pensarem que tinham chegado ao céu e com isso a força dos sindicatos nas ruas, na mobilização popular acabou caindo. Ele ressalta que a luta é ainda mais árdua porque é preciso lutar contra a direita e também contra equívocos que são cometidos dentro da esquerda.

(APLB-Sindicato, 01/02/2018)

 

 
 
  10/12/2018
Boletim CNTE 824
É urgente que as entidades educacionais se manifestem contra a aprovação sorrateira da nova BNCC do Ensino Médio
INFORMATIVO CNTE 824  
 
 
Videoconferência Reforma Tributária Solidária (06/08/2018)
 
 

Programa 606 - Vitória: projeto "Escola Sem Partido" é arquivado

 
 

Carta aberta aos(às) trabalhadores(as) em educação e à sociedade sobre os retrocessos na agenda social do país

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Servidores aposentados da educação do município de Parnaíba estão com pagamentos atrasados desde dezembro de 2018. De acordo com a legislação trabalhista, a folha de pagamento dos servidores, incluindo...
Evento é voltado para a diversão dos(as) profissionais em educação, que estejam aposentados(as), filiados aos Sindicatos Um dia de lazer e descontração é o que promete ser o 1º Encontro Estadual de...
A campanha salarial da rede municipal de Maceió já começou. Com data base em janeiro, o Movimento Unificado de Servidores Públicos Municipais manteve a unidade iniciada em 2017, realizou a 1ª assembleia do ano, nesta...
Professoras e professores buscaram a direção do SINTESE para denunciar que a Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura - SEDUC quer fechar seis escolas estaduais localizadas em Aracaju. São elas:...
Os membros do Conselho Geral do Sinte-PI realizaram a primeira reunião de 2019 na última terça-feira (15) para discutir pontos importantes para organização da categoria neste início de ano, como o reajuste dos...
Decisão foi votada em assembleia nesta quarta, 16, em protesto pelo cumprimento das reivindicações dos profissionais da Educação Os trabalhadores em educação da rede municipal de Guaraí decidiram...
Com o tema “Uma construção coletiva: a resistência do magistério público à BNCC e padronização curricular” o SINTESE realiza dia 01 de fevereiro, das 8h às 16h, no auditório...
Desde o dia 1º de janeiro, o piso salarial do Magistério válido para todos os docentes do país é de R$ 2.557,74. Isso representa um reajuste de 4,17% frente aos R$ 2.455,00 em 2018. O valor corresponde ao vencimento...
Em seus primeiros dias do novo mandato, o novo governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), publicou um decreto para bloqueio de R$ 8 bilhões das contas públicas do Estado. Isso significa que o governo poderá deixar de gastar...
Além de toda a luta coletiva que a rede estadual tem feito, o Sind-UTE/MG tem travado uma luta para que o Judiciário cumpra seu papel na garantia de direitos para os servidores e servidoras da educação. Até o mês...
O ano letivo na rede estadual de ensino de São Paulo se iniciará sob a égide de um novo governo, com problemas acumulados ao longo de anos e uma nova situação que poderá agravar ainda mais a falta de professores...
Como parte da Campanha Mundial contra a Privatização e o Comércio da Educação, a CNTE convida sindicatos filitados a participarem da apresentação do estudo sobre este tema realizado pela Internacional da...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.