Nota Pública: O feminicídio continua tipificado em nosso Código Penal

Publicado em Sexta, 15 Dezembro 2017 13:30

banners nota publica 2

Em tempos de golpe, o Brasil deve ficar sempre atento e vigilante com os ataques incessantes aos direitos sociais conquistados com muita luta ao longo dos anos. O debate legislativo no país deve ser acompanhado de forma permanente porque é protagonizado exatamente por aqueles representantes políticos que destituíram da Presidência da República uma mulher legitimamente eleita e reconhecidamente honesta.

Tramitava no âmbito da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa – CDH do Senado Federal, no mesmo espaço em que ontem foi derrotada a proposição que pretendia retirar o título de Paulo Freire como patrono da educação brasileira, outra proposta de sugestão legislativa que pretendia acabar com agravante no Código Penal para qualquer crime passional, sugerindo a extinção do termo feminicídio.

A sugestão era de iniciativa popular e pedia a revogação da lei que prevê o feminicídio como um tipo de homicídio qualificado. A Lei do Feminicídio, de autoria da CPMI da Violência contra a Mulher, concluída em junho de 2013, e que foi sancionada em 2015 pela primeira mulher eleita Presidenta do Brasil, tipifica e qualifica o homicídio contra mulheres motivado pela “condição de sexo feminino”, quando o crime envolve violência doméstica e familiar, ou menosprezo e discriminação contra a condição de mulher. Representou um enorme avanço em um país marcado por uma cultura de violência contra a mulher e possuidor de índices estratosféricos de morte de mulheres em decorrência de uma cultura que se arvora ao direito de tirar vidas. Isso porque o projeto prevê, entre outras questões, o aumento da pena em um terço se o crime ocorrer (1) durante a gestação ou nos três meses posteriores ao parto; (2) contra menor de 14 anos, maior de 60 anos ou pessoa com deficiência; e (3) na presença de descendente ou ascendente da vítima.

O dia de ontem (14/12), além de manter Paulo Freire como patrono da educação brasileira, também foi marcado pela derrota desse projeto que pretendia retirar o termo feminicídio de nosso Código Penal. O parecer da Senadora Regina Sousa (PT-PI) pela rejeição ao projeto foi aprovado por unanimidade no âmbito daquela comissão. A coincidência fica para a data: o mesmo dia em que se manteve o feminicídio tipificado em nossa legislação penal, em função da derrota desse projeto no âmbito da CDH do Senado Federal, foi o dia em que se comemorou o aniversário da Presidenta Dilma Rousseff, que propôs e sancionou a Lei do Feminicídio ainda em 2015.

Os/as educadores/as brasileiros/as parabenizam o parecer da Senadora Regina Sousa, sempre atenta à causa das mulheres, e saúda o aniversário de nossa primeira mulher Presidenta, que propôs a tipificação desse crime. Não por acaso, a CNTE encampa e promove a Campanha “Saber Amar é Saber Respeitar”, que preconiza o lema que “homem que é homem combate a cultura do estupro”.

Brasília, 15 de dezembro de 2017

Diretoria Executiva da CNTE

 
 
  19/06/2018
Boletim CNTE 815
Instituto divulga relatório sobre o PNE e os resultados tendem a piorar
INFORMATIVO CNTE 815  
 
 
Heleno Araújo conclama categoria para apoiar greve dos eletricitários
 
 

Programa 602: Heleno Araújo participa de audiência pública no senado sobre violência nas escolas

 
 

Lula é um preso político! A ditadura escancarada de Temer só sucumbirá com o povo nas ruas!

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Os membros da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Piauí (ALEPI) se reuniram à portas fechadas com seus membros a mando governador Wellington Dias para aprovar o reajuste de...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa dos profissionais do setor público da educação básica brasileira, declara o seu APOIO aos/às...
Os trabalhadores em Educação da rede municipal de Goiânia realizaram novo Ato Unificado, com Assembleia da categoria, na manhã desta quinta-feira (21), na Câmara de Vereadores. Durante a Assembleia foi informado...
Uma decisão liminar determinou que a prefeitura de Guaraí (TO) assegure a professora da rede municipal, Iolanda Bastos, o direito de licença para mandato classista, inclusive com reconhecimento como hora trabalhada na...
A juíza Fabiana Oliveira de Castro julgou procedentes as ações judiciais impetradas pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica da Rede Oficial de Sergipe (Sintese) e decidiu que os educadores que se...
A assessoria jurídica do Sintero concluiu o estudo acerca da Medida Provisória 817 sancionada com vetos e convertida na Lei nº 13.681, confirmando que as emendas propostas pelo Sintero e apresentadas pelo senador Valdir Raupp foram...
O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e coordenador do Fórum Nacional Popular de Educação (FNPE), Heleno Araújo, participou, hoje (20), do Seminário...
A subsede do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) em Várzea Grande conseguiu ganho de causa em uma ação civil pública para o pagamento de 1/3 de hora-atividade para os/as...
Trabalhadores em educação do município de Ponte Alta (TO) realizaram nesta quarta-feira, 20 de junho, manifestação contra as atrocidades cometidas pelo prefeito contra os profissionais. De acordo com a categoria, a...
Professores aposentados de várias regionais do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma) participaram do 5º Encontro Estadual de Professores Aposentados, realizado na...
A presidente do Sintet Regional de Guaraí (TO), Iolanda Bastos e o Secretário de Saúde do Trabalhador do Sintet Reg. Guaraí, professor João Machado cobraram o cumprimento das progressões e PCCR em Colmeia,...
A mobilização por valorização dos/as servidores/as públicos/as de Maceió continua forte. Com paralisação marcada para esta quarta e quinta-feira (20 e 21/06), o movimento unificado realizou, na...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.