56 cidades gastam abaixo do mínimo legal com Educação

Publicado em Quinta, 30 Julho 2015 09:08

Ao menos 56 municípios do Estado de São Paulo descupriram as quantias mínimas previstas em lei que devem ser gastas em seus sistemas de Educação. Dados do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE) apontam que estas cidades tiveram parecer desfavorável neste quesito em dois anos - 2011 e 2012 - os mais recentes neste tipo de avaliação.

Três dos dez municípios mais populosos do Estado estão na lista: Guarulhos, Campinas e Osasco, somando quase 3 milhões de habitantes. O descumprimento pode gerar ações de improbidade administrativa, perda de mandato e impugnação de candidatura de prefeitos candidatos à reeleição.

Três repasses da Educação são considerados obrigatórios: aplicação de 100% dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fun-deb), o uso de 60% desses recursos (Fundeb) na remuneração do magistério e aplicação de 25% das receitas de impostos do município prioritariamente na educação básica.

A continuidade do descumprimento, mesmo após aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE), em 2014, que prevê mais recursos para o setor e estabelece 20 metas a serem cumpridas nos próximos 10 anos, causa preocupação para especialistas. "Como Pátria Educadora, o País não deve só ter mais recursos, mas aplicá-los onde deve. Nossa lástima não é falta de dinheiro, mas de fiscalização adequada", diz a procuradora do Ministério Público de Contas do Estado de São Paulo, Élida Graziano Pinto.

Recursos. O Fundeb é o principal fundo de financiamento da educação básica, distribuído a Estados e municípios pelo governo federal. O recurso pode ser usado, por exemplo, para adquirir imóveis e terrenos para a construção de escolas, reformas ou aquisição de mobiliário para as unidades (carteiras, me- sas, armários e computadores). A não utilização do total deste fundo é o caso mais constante nos municípios: 48 receberam parecer desfavorável por este motivo. Mauá, por exemplo, com cerca de 417 mil habitantes, usou 94,34% do fundo no ano de 2012.

O município viu seu Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) cair nos anos iniciais das escolas municipais de ensino fundamental de 5, em 2011,para 4,3 em 2013.A Secretaria de Educação do município informou que apresentou sua defesa ao tribunal.

Já o uso de 25% da receita dos impostos na Educação está previsto no artigo 212 da Constituição Federal. Houve descumprimento desta medida em 27 municípios. Em Guarulhos, o mais populoso do Estado depois da capital, a aplicação foi de 20,31% dos impostos em 2012. Com isso, a cidade deixou de gastar R$ 85 milhões.

Os dados levaram o MP de Contas a pedir a rejeição de contas no município. "O município de Guarulhos tem postergado, nos últimos anos e de forma cada vez mais volumosa, o cumprimento do gasto mínimo em Educação", revela o parecer. A Secretaria de Educação do município rejeita a metodologia do TCE e questiona o órgão.

Para a presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação em São Paulo (Undime-Sp), professora Priscilla Bonini Ribeiro, um dos problemas é que os municípios fazem seu planejamento sobre a arrecadação do ano anterior. "Às vezes, o município tem arrecadação superior a outros anos e não tem tempo hábil para gastar os recursos", explicou.

Ela lembrou também que muitas cidades fecham o ano com restos apagar, que complementam o uso do Fundeb no início do ano seguinte. Outro desafio é a dificuldade de usar os recursos do Fundeb da maneira correta. Há cidades menores em que as creches são atendidas por pajens, por exemplo, que não têm diploma universitário, e não podem receber verba do Fundeb

Ribeirão Preto sai da lista do TCE

• Com cerca de 590 mil habitantes, a cidade de Ribeirão Preto foi a única entre os maiores municípios paulistas a sair da lista de descumprimento dos gastos com Educação do Tribunal de Contas do Estado. Levantamento semelhante feito pelo Ministério Público de Contas nos dados de 2008, 2009 e 2010 mostrou que o município descumpria os gastos com Fundeb (95,32% do total) e com o mínimo previsto na Constituição (23,98% dos 25%). Nesses anos, 84 municípios haviam deixado de cumprir as metas. Os dados foram consolidados após a análise do pedido de reexame. Na lista havia casos de cidades que descumpriram as metas nos três anos seguidos. / l.f.t.

(O Estado de S. Paulo, 30/07/2015)

 
 
 
 
Plenário vota pelo indicativo de greve para o dia 15 de março (15/01/2017)
 
 

Programa 576: Heleno Araújo é eleito novo presidente da CNTE

 
 

FMLN condena golpe de estado contra presidenta Dilma Rousseff no Brasil

 
  22/11/2016
Boletim CNTE 777
A reforma do ensino médio avança no Congresso
INFORMATIVO CNTE 777  
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Professoras, professores e estudantes de 14 das 18 unidades de ensino protocolaram documentos rejeitando a imposição da Secretaria de Estado da Educação – SEED em determinar que estas escolas passem a funcionar com...
Conforme deliberado em assembleia da categoria, realizada na última segunda, 16/1, Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação irão ao encontro do Prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo, na próxima quarta,...
O SINTET esteve reunido com a secretária estadual de educação, Wanessa Sechim na segunda-feira, 16, para tratar da pauta da categoria. Na reunião foi discutido sobre a continuação do calendário de...
O Sinteal repudia a atitude do Governo do Estado de Alagoas em relação às companheiras e aos companheiros aposentandas/os da rede pública estadual em educação, ao não terem garantido o pagamento do...
O piso salarial dos professores terá aumento de 7,64% este ano. O índice, anunciado pelo Ministério da Educação na quinta-feira, 12/1, representa incremento de 1,35% acima da inflação acumulada de 2016...
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa de mais de 4 milhões de profissionais da educação em todo o Brasil, repudia de forma veemente a prisão...
“Companheiro Heleno tenho certeza que você continuará fazendo um ótimo trabalho à frente da CNTE por sua dedicação e empenho nas lutas, já conhecidos por todos”. Foi com esse sentimento que...
O 33º Congresso da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) aprovou neste domingo (15) o indicativo de Greve Geral para o dia 15 de março. A mobilização da...
Com 86,8 % dos votos, a Chapa 30 - Resistência e Luta venceu as eleições para a Direção Executiva e Conselho fiscal da CNTE para a próxima gestão. Com a vitória, Heleno Araújo assume a...
Os participantes do Congresso aprovaram neste sábado (14), as resoluções da fusão Articulação Sindical/CTB/CSD/O Trabalho, para os temas, Conjunturas Internacional, Nacional e Política Sindical. Tais...
Na tarde de hoje (14), na abertura da plenária deliberativa, "Conjuntura Nacional e Internacional", do 33º Congresso Nacional da CNTE, a representante do Canadá, Jan Eastman, foi homenageada pelo seu pioneirismo na...
A Revista Retratos da Escola, publicação volume 10, número 19, da Escola de Formação da CNTE (Esforce), foi lançada durante o Congresso. Com o tema “20 anos de LDB” (Lei de Diretrizes e Bases da...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2014/2017 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - CNTE na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003
Fax: +55 (61) 3225-2685

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.