Rádio
 
TV CNTE
 
Portuguese English French Spanish
 
 
     
 
       
   
 
     
 
 
 
     
 

MT: Em estado de greve, educação de Sinop aguarda aprovação do PCCS

Publicado em Quinta, 18 Novembro 2010 11:13

Prefeito tem até o dia 23 para encaminhar minuta do plano

Os trabalhadores da educação de Sinop, a 500 km de Cuiabá, estão em estado de greve. A decisão foi tomada pela assembleia geral, no dia 09 de novembro, quando 90% das unidades escolares paralisaram as atividades. A categoria cobra do prefeito Juarez Costa um posicionamento quanto ao Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS). As reivindicações são: redução da jornada de trabalho para 30 horas, e inclusão de todos os servidores no plano com a manutenção do piso de R$ 1266,92 para nível médio.

A reunião também aprovou a proposta do Executivo Municipal de formar uma comissão mista entre membros da subsede do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) e a equipe técnica da prefeitura para realizar estudos sobre o piso salarial. As análises serão concluídas até o dia 23 de novembro, quando o gestor deverá encaminhar a minuta do PCCS à Câmara Municipal, assegurando as reivindicações da categoria.

Segundo a presidente da subsede de Sinop, Sidinei de Oliveira, até o momento não há sinalização por parte do prefeito para a implantação do plano. Uma nova assembleia geral está marcada para o dia 25 de novembro, a fim de avaliar as negociações. Caso o prazo de aprovação da minuta do PCCS não seja cumprido, os trabalhadores da educação podem entrar em greve já no início de 2011. Os profissionais também cobram do Executivo Municipal a ampliação do percentual de 25% constitucionais na educação do município no próximo ano.

Atualmente, o piso salarial da rede municipal de Sinop é de R$ 1266,92 para professor com jornada de 40 horas semanais e formação em nível de magistério. “Porém, as diferenças entre as formações são praticamente inexistentes”, argumenta o secretário de Rede Municipal da subsede do Sintep/MT, Valdeir Pereira. Isso porque o piso para graduação é de 37% (R$ 1735,68), graduação mais especialização, 54% (R$ 1951,06), licenciatura e mestrado, 63% (R$ 2065,08) e para doutorado é de 73% (R$ 2.191,77).

Irregularidades - Outro aspecto ressaltado pelo sindicalista é que a progressão dentro da carreira não existe. “Os professores contemplados pelo PCCS estabelecido pela Lei municipal 854/2004 recebem um por cento (1%) anualmente de antiguidade, não incorporáveis à aposentadoria”. A subsede do Sintep/MT diagnosticou problemas referentes às lotações dos profissionais nas funções de apoio e técnico. “A Secretaria de Educação, conduzida pelo professor Antônio Tadeu Gomes, não tem clara a quantidade de funcionários necessários para o funcionamento das unidades escolares”, denuncia. Assim, há escolas com número elevado de servidores e outras com carência. O chamado “desvio de função” desses servidores também é elevado.

Valdeir Pereira aponta ainda que a exaustão sofrida pelos servidores eleva gradativamente o número de atestados médicos. “Não há, nesse caso, nenhum acompanhamento da gestão a estes trabalhadores”, afirma. Atualmente, encontram-se lotados servidores com mais de cinco anos nessa situação, sendo que a Lei estabelece o período de dois anos para a avaliação das readaptações funcionais. “Mas a atual gestão não tem critérios e ações diante dessa situação”, protesta.

Fonte: Sintep MT, 18/11/10

 

 

 

 
 
 
Comissão de Direitos Humanos da Câmara debate agenda comum (19/05/2016)
 
 

Programa 532: Audiência Pública na Câmara tem participação da CNTE

 
  25/05/2016
Boletim CNTE 758
A cara e os dentes do golpismo
INFORMATIVO CNTE 758  
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
As medidas encaminhadas pelo ilegítimo presidente Michel Temer ao Congresso Nacional, que afetam diretamente a educação e a saúde, são inaceitáveis e merecem o repúdio de todo o povo brasileiro. As...
Os profissionais da Educação do Ceará decidiram em Assembleia manter a Greve Geral por tempo indeterminado. O encontro foi realizado na quarta-feira (25) no Ginásio Poliesportivo da Parangaba, em Fortaleza, e a...
Diretoras da APLB Sindicato - Feira e Trabalhadores em Educação, além de representantes de outras entidades sindicais de Feira de Santana participaram na quarta, 25, de uma manifestação durante a passagem da Tocha...
O SINTESE foi recebido em audiência na segunda-feira, 23, o Conselheiro do Tribunal de Participaram da audiência com o Conselheiro do TCE, Dr. Carlos Pina, a presidente do SINTESE, professora Ângela Maria e o diretor do departamento...
Trabalhadoras/es da rede pública estadual em educação realizaram, na terça-feira (24), uma assembleia geral, no auditório do Sindicato dos Bancários de Alagoas, no centro de Maceió, para deliberar...
Centenas de professores e estudantes de Fortaleza e do interior participaram do Dia Estadual de Luta em Defesa da Escola Pública e da Valorização dos Profissionais na tarde da segunda-feira (23) no centro de Fortaleza. O ato foi...
Trabalhadores em Educação da rede municipal de ensino de Feira de Santana foram à Secretaria Municipal de Educação (Seduc) na tarde do dia 23, para cobrar da Secretária Municipal de Educação,...
A criação de uma empresa S.A. (Sociedade Anônima) no âmbito do Governo do Estado de Mato Grosso, para implementar a via de privatização dos serviços públicos na área da educação...
Na tarde desta segunda-feira (23), os trabalhadores da Educação Pública de Mato Grosso, organizados pelo Sintep/MT estão em assembleia geral para votar o indicativo de greve geral por tempo indeterminado, tendo como um dos...
A APLB Sindicato – Feira entrou com duas ações contra o desvirtuamento de contratos de estágio como via de acesso à precarização da mão de obra na rede municipal de ensino de Feira de Santana. As...
Após decisão da categoria em assembleia realizada na manhã da sexta, 20, no Espaço Kilogrill, a APLB Sindicato – Feira convoca Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação da rede municipal de ensino para...
Representado pelas diretoras Darcir Acioli (Secretaria de Assuntos Municipais), Cícera Ferreira (Secretaria de Assuntos Jurídicos) e Edna Lopes (Secretaria de Assuntos Educacionais ), o Sinteal participou, na 6ª feira (20), em Recife...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Cartilha Piso e Carreira Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2014/2017 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - CNTE na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira       - Clipping  
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003
Fax: +55 (61) 3225-2685

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.