MT: Em estado de greve, educação de Sinop aguarda aprovação do PCCS

Publicado em Quinta, 18 Novembro 2010 11:13

Prefeito tem até o dia 23 para encaminhar minuta do plano

Os trabalhadores da educação de Sinop, a 500 km de Cuiabá, estão em estado de greve. A decisão foi tomada pela assembleia geral, no dia 09 de novembro, quando 90% das unidades escolares paralisaram as atividades. A categoria cobra do prefeito Juarez Costa um posicionamento quanto ao Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS). As reivindicações são: redução da jornada de trabalho para 30 horas, e inclusão de todos os servidores no plano com a manutenção do piso de R$ 1266,92 para nível médio.

A reunião também aprovou a proposta do Executivo Municipal de formar uma comissão mista entre membros da subsede do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) e a equipe técnica da prefeitura para realizar estudos sobre o piso salarial. As análises serão concluídas até o dia 23 de novembro, quando o gestor deverá encaminhar a minuta do PCCS à Câmara Municipal, assegurando as reivindicações da categoria.

Segundo a presidente da subsede de Sinop, Sidinei de Oliveira, até o momento não há sinalização por parte do prefeito para a implantação do plano. Uma nova assembleia geral está marcada para o dia 25 de novembro, a fim de avaliar as negociações. Caso o prazo de aprovação da minuta do PCCS não seja cumprido, os trabalhadores da educação podem entrar em greve já no início de 2011. Os profissionais também cobram do Executivo Municipal a ampliação do percentual de 25% constitucionais na educação do município no próximo ano.

Atualmente, o piso salarial da rede municipal de Sinop é de R$ 1266,92 para professor com jornada de 40 horas semanais e formação em nível de magistério. “Porém, as diferenças entre as formações são praticamente inexistentes”, argumenta o secretário de Rede Municipal da subsede do Sintep/MT, Valdeir Pereira. Isso porque o piso para graduação é de 37% (R$ 1735,68), graduação mais especialização, 54% (R$ 1951,06), licenciatura e mestrado, 63% (R$ 2065,08) e para doutorado é de 73% (R$ 2.191,77).

Irregularidades - Outro aspecto ressaltado pelo sindicalista é que a progressão dentro da carreira não existe. “Os professores contemplados pelo PCCS estabelecido pela Lei municipal 854/2004 recebem um por cento (1%) anualmente de antiguidade, não incorporáveis à aposentadoria”. A subsede do Sintep/MT diagnosticou problemas referentes às lotações dos profissionais nas funções de apoio e técnico. “A Secretaria de Educação, conduzida pelo professor Antônio Tadeu Gomes, não tem clara a quantidade de funcionários necessários para o funcionamento das unidades escolares”, denuncia. Assim, há escolas com número elevado de servidores e outras com carência. O chamado “desvio de função” desses servidores também é elevado.

Valdeir Pereira aponta ainda que a exaustão sofrida pelos servidores eleva gradativamente o número de atestados médicos. “Não há, nesse caso, nenhum acompanhamento da gestão a estes trabalhadores”, afirma. Atualmente, encontram-se lotados servidores com mais de cinco anos nessa situação, sendo que a Lei estabelece o período de dois anos para a avaliação das readaptações funcionais. “Mas a atual gestão não tem critérios e ações diante dessa situação”, protesta.

Fonte: Sintep MT, 18/11/10

 

 

 

 
 
 
II Encontro Nacional da Juventude da CNTE é encerrado com carta aberta (14/08/2016)
 
 

Programa 556: Jovens trocam experiências da luta sindical nos seus estados

 
 

FMLN condena golpe de estado contra presidenta Dilma Rousseff no Brasil

 
  26/09/2016
Boletim CNTE 772
Ensino Médio e Previdência Social: mentiras e ataques do (des)governo Temer
INFORMATIVO CNTE 772  
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) apresenta a cartilha “Funcionários da Educação: conquistas e desafios da formação e da valorização...
O ensino integral vai exigir a contratação de mais professores. Hoje, sem reforma no ensino médio, já faltam mais de 30 mil profissionais. Mais da metade dos professores não têm formação...
Criado no início de 2014, o Movimento Nacional pelo Ensino Médio é composto de dez entidades do campo nacional que, agora, divulgam carta em que se posicionam de forma contrária a reformas propostas pelo governo federal. "Na...
A FETEMS realizou uma manifestação histórica na quinta-feira (22), mais de 95% das escolas da rede pública, Estadual e Municipais, pararam suas atividades e praticamente simultaneamente os trabalhadores foram para as ruas...
  *Texto atualizado em 26/09/16, após a constatação de que o MEC manterá excluídas as disciplinas de artes, educação física, filosofia e sociologia do currículo do ensino...
No Dia Nacional de Paralisação, dia 22/09, os trabalhadores da educação e de várias categorias de todo o país foram às ruas protestar contra os Projetos de Lei (PLs) e Propostas de Emendas a...
Os professores estaduais de São Paulo, convocados pela APEOESP participaram do Dia Nacional de Paralisações e Mobilizações (Esquenta Greve Geral), em 20/9, organizado pelas centrais sindicais, paralisando 50% da...
A direção do Sindicato APEOC lançou uma Nota Oficial sobre a reforma do Ensino Médio do governo de Michel Temer encaminhada ao Congresso Nacional nessa quinta-feira (22). O documento faz uma análise crítica da...
Lideradas pelo Sindicato dos Servidores Municipais (Sinsej), cerca de 200 pessoas participaram, na manhã de ontem, de ato na praça da Bandeira, em Joinville, para protestar contra medidas anunciadas pelo governo federal, que consideram...
A aula desta quinta-feira (22) foi nas ruas. Mais de 2 mil profissionais da educação pública de Campo Grande paralisaram suas atividades nas escolas, para protestar contra os ataques aos servidores e serviços públicos...
Milhares de trabalhadores/as capixabas saíram às ruas em Vitória, na manhã desta quinta-feira, 22, Dia Nacional de Paralisação e Mobilização, contra os projetos de retirada de direitos sociais e...
Centenas de educadores de diversas regiões do Estado participaram, nesta quinta-feira, dia 22, dos atos que marcaram o Dia Nacional de Paralisação, em Porto Alegre. A mobilização, chamada pela...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Cartilha Piso e Carreira Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2014/2017 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - CNTE na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003
Fax: +55 (61) 3225-2685

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.