O piso salarial do magistério

Publicado em Sexta, 05 Janeiro 2018 10:29

banners cnte na midia 2

As prefeituras de todo o país, que vêm enfrentando sérias dificuldades financeiras nos últimos anos, têm pela frente sério desafio para arcar com o pagamento do piso salarial dos professores do ensino básico, que sempre foram mal remunerados. Além desse grave problema previsto para estourar em futuro não muito distante, estudos demonstram que a qualidade da educação em nível municipal vai de mal a pior há tempos. Se os educadores forem ainda mais penalizados com o não recebimento do piso salarial estipulado por legislação federal, a qualidade do ensino certamente cairá bastante.

A previsão de especialistas é de que, dentro de quatro anos, no mais tardar, os executivos municipais não terão condições para pagar o piso salarial definido nacionalmente para os professores da rede pública de educação - este ano ele é de R$ 2.455 -, considerado insuficiente pelas entidades representativas da categoria. A conclusão é de um levantamento realizado pela Consultoria em Administração Municipal (Conam), entidade de prestação de serviços no setor de administração pública que atende a mais de uma centena de instituições governamentais, entre prefeituras, câmaras municipais, autarquias e fundações de Minas Gerais e São Paulo.

Na atualidade, as despesas com a folha de pagamento dos professores do ensino básico representam 80% dos recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), enquanto os restantes 20% são destinados aos demais gastos das escolas. O que alarma o setor é que, da forma como o reajuste é calculado, as prefeituras não terão condições de honrar o compromisso previsto na Lei Federal 11.738/08. E o mais grave é que em alguns casos o piso não é respeitado. De acordo com pesquisa realizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), 14 estados não cumpriram a legislação em 2015.

Com o intuito de corrigir uma distorção histórica na remuneração do magistério, a Constituição Federal estabelece que o vencimento inicial dos professores será atualizado anualmente para, paulatinamente, equiparar os salários dos educadores das escolas públicas aos demais com nível de formação equivalente. A lei prevê, também, que, em caso de dificuldades financeiras para arcar com o piso, estados e municípios devem receber ajuda orçamentária da União. A questão é que a lei não prevê punições ao ente federativo que descumprir a determinação, cabendo ao Ministério Público, por iniciativa - própria ou por denúncia, fiscalizar a sua aplicação, o que nem sempre acontece, tornando a norma inócua.

Não se discute a desoladora situação financeira das prefeituras em todo o país, bem como os obstáculos econômicos enfrentados pelos estados. O que não se pode permitir é que mais uma vez os professores do ensino básico, responsáveis pela educação das crianças e adolescentes brasileiros, sejam sacrificados. Comprometer a qualidade do ensino básico com a supressão do piso salarial é, sim, comprometer o futuro do Brasil.

(Correio Braziliense, 05/01/2018)

 
 
  15/01/2018
Boletim CNTE 809
As ações de resistência para defender a democracia: a pauta em 2018 é ampliar a luta!!
INFORMATIVO CNTE 809  
 
 
INSTITUCIONAL CNTE | Resistência e Convocação para a Conape 2018 (01/12/2017)
 
 

Programa 597: CNTE faz balanço das lutas de 2017

 
 

Nota Pública: Paulo Freire continua sendo o patrono da educação brasileira

 
  Acesse a agenda de mobilizações da CNTE
 
  Acesse nossa galeria de fotos
 
  Disponível na Google Play e App Store
 

 VEJA MAIS NOTÍCIAS
Pela primeira vez na história de atuação do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) em Paranatinga (373 km de Cuiabá), o Sindicato foi convidado para reunião com o chefe do...
O Sinteal conquistou, na justiça, uma vitória na defesa da Gestão Democrática das escolas públicas estaduais de Alagoas. Em decisão do dia 13 de janeiro, o juiz Ayrton de Luna Tenório concedeu liminar...
Foto:Ricardo Stuckert/Instituto Lula Antes do Governo do Lula, os(as) Funcionários(as) da Educação não tinham direito à política de formação continuada e nem eram reconhecidos(as) como...
Diante de resultados de inúmeras pesquisas sobre a educação brasileira, desde as inquietantes reflexões de Anísio Teixeira e Paulo Freire às últimas pesquisas da OCDE - Organização para a...
Os trabalhadores e trabalhadoras em educação, reunidos em assembleia geral na última quarta-feira (10), discutiram sobre a Campanha Salarial 2018, com base no índice de reajuste de 6,81% do Piso Nacional do Magistério...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) faz o alerta de mais uma prática do governo Taques para promover o desmonte da escola pública, de gestão pública, gratuita, laica e de...
Após inúmeras comunicações encaminhadas à Seduc e sem nenhuma reposta, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet), José Roque Santiago protocolizou...
O Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) foi convidado para uma reunião na tarde de quarta-feira (10) com a Casa Civil e a Secretaria de Estado da Educação, para ser comunicado que os 40 mil...
Dando início à campanha salarial 2018 na rede pública municipal de educação de Maceió, o Sinteal já encaminhou à Secretaria Municipal de Educação (Semed), na pessoa da titular da...
Os professores e demais servidores da educação da rede municipal de Lauro de Freitas (Região Metropolitana de Salvador) estão de férias, mas sem o dinheiro do período. Isso porque a Prefeitura não pagou...
Com extremo pesar que a CNTE informa o falecimento da secretária de Políticas Sociais, do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) Marli Keller.Referência de militância, garra e...
A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, concedeu liminar para suspender a eficácia de lei estadual do Paraná que dispõe sobre os professores e profissionais de educação que...
Leia mais 
  Revista Mátria Programa de Formação Funcionários da educação Cadernos de Educação Pesquisas  
   
  Outras publicações 
 
   
   
  Mais eventos 
         
Outras campanhas 
         
         
         
         
 
 
             
INSTITUCIONAL LUTAS TABELA SALARIAL DOCUMENTOS LEGISLAÇÕES COMUNICAÇÃO FALE CONOSCO
             
- A CNTE - A Lei do Piso   - Caderno de Resoluções - Educacional - Notícias  
- Diretoria 2017/2021 - Cartilha do Piso   - Estatuto - Pesquisar - Giro pelos Estados  
- Entidades Filiadas - Propostas Diretrizes   - Moções   - CNTE Notícias  
- Secretarias de Carreira   - Notas Públicas   - Educação na Mídia  
  - Livreto Diretrizes       - Releases  
  e Carreira          
  - A Lei do PNE          
  - Cartilha do PNE    

CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação

Endereço: SDS, Edifício Venâncio III, Salas 101/106
CEP: 70393-902 - Brasília-DF
E-mail: cnte@cnte.org.br

Telefone: +55 (61) 3225-1003

  - Royalties do Petróleo    
       
       
       
       
       
       
       
       
       
2014© Todos os direitos reservados.