O SINTE/RN lançou nesta quarta-feira (24) a campanha “Faça a Sua Parte Contra a Covid-19”. A iniciativa tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância de manter os cuidados a fim de evitar a infecção pelo novo Coronavírus.

Com posts nas redes sociais e nota direcionada aos prefeitos das cidades do Rio Grande do Norte, a campanha do Sindicato tentará contribuir para frear o atual relaxamento da população perante a doença. Nos posts, a entidade recomenda que os potiguares cobrem dos prefeitos a implementação das indicações do Comitê Científico do Estado, boicotem/denunciem os estabelecimentos que não respeitam as medidas e usem máscara. Também nas publicações, o Sindicato indica a importância de higienizar as mãos; manter o distanciamento social, recorrendo sempre que possível aos serviços via internet; e não dar atenção a quem nega a doença. Além disso, aponta o quão importante é apoiar a luta pela vacina e não tomar remédios sem comprovação científica.

Já a nota para os chefes dos municípios do interior do RN explicita a posição do SINTE contra a retomada de qualquer aula presencial no momento e pede que as recomendações do Comitê Científico sejam adotadas a fim de diminuir o fluxo de pessoas nas ruas, contendo a contaminação.

PANDEMIA

Prestes a completar um ano que o primeiro caso de coronavírus foi identificado no país, a Covid-19 já tirou a vida de mais de 2 milhões e 400 mil pessoas no mundo, entre elas ao menos 249 mil brasileiros. A vacinação no país segue de forma lenta graças a política negacionista do Governo Bolsonaro. Enquanto isso, variantes se espalham.

Na tarde de segunda-feira (22) os hospitais da região metropolitana de Natal estavam com 91,7% dos leitos críticos ocupados. Já o Estado batia 87% de ocupação de seus leitos críticos. Os números são alarmantes é indicam que a saúde pública local está prestes a entrar em colapso tamanha a superlotação se nada for feito. Porém, aglomerações têm sido identificadas pelo Brasil afora, inclusive no RN, com pessoas sem máscara ou qualquer preocupação com a doença.

(SINTE/RN - 24/02/2021)