NOTA PÚBLICA

2022 05 20 nota publica cnte site

O prefeito Edvonilson Santos, de Ipirá, município do centro norte do Estado da Bahia, insiste em aplicar o reajuste do Piso Salarial Nacional do Magistério somente no vencimento básico da categoria dos/as professores/as de sua rede municipal de ensino, negligenciando que esse reajuste legal deve repercutir em toda a estrutura da carreira dos profissionais do magistério da cidade. Lança mão de justificativas de responsabilidade fiscal para se omitir no trato correto com a educação do município, que deve ser priorizada frente às quaisquer imperativos de ordem fiscal.

Ao criar essa ‘cortina de fumaça’ para não reverberar o reajuste do piso na tabela salarial como um todo da carreira dos/as professores/as da cidade, o prefeito Dudy, como é conhecido na região, deixa de cumprir com as suas responsabilidades de gestor. O município de Ipirá não atingiu a sua meta no IDEB em 2019, quando referente aos anos iniciais do Ensino Fundamental: enquanto o Brasil e a Bahia superaram suas metas propostas para aquele ano em, respectivamente, 0.2 e 0.6 pontos, o município de Ipirá tinha como meta 4.5 e atingiu 4.4 em 2019.

A qualidade da educação de um município está intimamente ligada à valorização profissional dos/as trabalhadores/as em educação. A postura do prefeito Dudy no trato com as professoras e professores de sua cidade atrapalha a qualidade da própria educação no município. O direito à educação do povo brasileiro deve ser basilar na gestão de qualquer prefeitura do país. E o cumprimento da Lei do Piso, com a adequada valorização da carreira dos/as profissionais de educação, tem desdobramento e impacto direto nos números negativos apresentados.

Os/as educadores/as de todo o país se somam à luta dos profissionais do magistério da cidade de Ipirá e com o conjunto da sociedade do município que, atualmente, não encontram amparo em seu gestor municipal. A defesa da educação e de seus/uas profissionais é critério básico para a definição da qualidade de atuação de todo e qualquer gestor público.

Brasília, 19 de maio de 2022

Direção Executiva da CNTE