GREVE DE FOME

 

 2022 11 23 site foto sutep
Foto: Portal Sutep

Educadores do Brasil se solidarizam com a luta dos educadores peruanos que, em greve de fome, clamam por respeito e dignidade de tratamento à educação e aos seus educadores

Em recente deliberação, o Comitê Executivo Nacional do Sindicato Unitário de Trabalhadores da Educação do Peru (SUTEP), entidade irmã e análoga à CNTE brasileira, decidiu iniciar uma Greve de Fome Nacional diante do descumprimento dos acordos firmados entre o SUTEP e o Ministério da Educação do país (MINEDU), ainda em julho desse ano.

A proposta orçamentária de 2023 do governo para a área de educação desautoriza os acordos firmados entre SUTEP e MINEDU, como nomeação de professores, incremento das remunerações e pensões dos trabalhadores em educação do país e, se não bastasse tudo isso, a implementação da Educação Intercultural Bilingue, como um direito fundamental dos povos e populações indígenas do país.

Trata-se de uma proposta governamental que, para além do desrespeito aos acordos firmados e pactuados em mesa de negociação, ataca de forma frontal os direitos dos educadores, a efetividade da educação pública no país e, no limite, o direito inalienável do próprio povo peruano à educação pública.

Os educadores e as educadoras de todo o Brasil se somam em solidariedade à luta empreendida por seus companheiros peruanos, na defesa do direito à uma educação pública e de qualidade, que passa necessariamente pela valorização do trabalho docente no país. Isso só se efetivará quando e se o governo peruano mantiver políticas públicas educacionais que se destinem à grande maioria de seu povo.

Nossa solidariedade à greve de fome iniciada pelos trabalhadores em educação peruanos que, por meio do SUTEP, exigem respeito à educação e aos direitos laborais de seus professores! Desde o Brasil, pedimos ao governo do Peru que honre os acordos firmados com o SUTEP.

Brasília, 17 de novembro de 2022
Direção Executiva da CNTE