NOTA PÚBLICA

nota 131223

A aprovação no dia de ontem (12/12/2023) do projeto que cria a Superintendência de Aposentadorias e Pensões, feito às pressas e sem o devido debate social junto à população, resultou em uma violenta ação das forças de segurança do país contra os manifestantes que, legitimamente, estavam nas ruas de Assunção para defender seus direitos mais elementares. O ataque ao Estado de Direito Social construído a duras penas por gerações inteiras de militantes sociais não poderia gerar outra coisa se não a resistência do povo nas ruas.

As manifestações, que tiveram a adesão imediata dos sindicatos dos trabalhadores da saúde (enfermeiros) e da educação (docentes), além da Federação de Camponeses do país, receberam como resposta das Forças da Ordem uma reação desproporcional no uso desmedido da força. À altura das repressões do regime ditatorial de Alfredo Stroessner, o que se viu nas ruas da capital do Paraguai hoje é de envergonhar e dar repulsa a todos os lutadores sociais do mundo inteiro.

No mês em que se comemora o Dia Internacional dos Direitos Humanos, as forças de segurança responsáveis pelas lamentáveis cenas explícitas de violência que se viram hoje em Assunção devem ser denunciadas juntos aos organismos internacionais de direitos humanos da América Latina e do mundo todo.

Desde o Brasil, faremos daqui repercutir esse descalabro e acintoso ataque do governo do país contra o seu próprio povo. E irmanados pela luta em defesa do Estado de Direito Social, os educadores de todo o Brasil se somam em solidariedade à luta do povo irmão do país vizinho e, de forma veemente, repudiamos a violência estatal imposta pelo cartismo instalado no atual governo paraguaio.

A repressão do governo receberá como resposta imediata cada vez mais o povo nas ruas, em defesa de seus direitos previdenciários. Os direitos à pensão e à uma aposentadoria digna são inegociáveis e, em defesa disso, estão sendo convocadas mais manifestações para o dia de amanhã em Assunção. Toda solidariedade à luta do povo irmão paraguaio! Pelo fim imediato da repressão violenta e truculenta das forças de segurança do país! Não façam de seu povo o seu rival!

 

Brasília, 12 de dezembro de 2023

Direção Executiva da CNTE