LIBERDADE DE EXPRESSÃO

 2019 10 17 cnte forum fndc

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) vai participar do 4º Encontro Nacional pelo Direito à Comunicação (4ENDC) que começa nesta sexta (18) e vai até o próximo domingo (20), em São Luís (MA). O evento é organizado pelo Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) e reúne ativistas, militantes, pesquisadores/as e trabalhadores/as para debater os principais temas da área de comunicação, com ênfase em assuntos relacionados à liberdade de expressão, defesa de uma internet livre e aberta e de um sistema de mídia plural e diverso. Além do 4º ENDC, o Fórum realiza, neste dia 17de outubro, também em São Luís, sua 22ª Plenária Nacional, que reunirá delegados/as representantes de Comitês Regionais e entidades nacionais filiadas.

A CNTE faz parte deste Fórum, que vem debatendo caminhos para uma comunicação mais democrática e estratégias para enfrentar os retrocessos impostos pelo governo Bolsonaro no campo da liberdade de expressão. Para o secretário de comunicação da CNTE, Luiz Vieira, "Nós os professores estamos sendo atacados e uma forma de nós nos defendermos é participando de fóruns e encontros como este para dizer que nós não vamos nos calar diante do autoritarismo e que sempre defendemos a liberdade de cátedra". 

programação do 4º ENDC oferece uma variedade de painéis com palestrantes que são referência em cada eixo temático. O evento terá a participação do editor-executivo do The Intercept Brasil, Leandro Demori, além de debatedores internacionais, como o argentino Martín Becerra, da Universidade de Quilmes e Universidade de Buenos Aires, e o inglês Nick Couldry, sociólogo e professor da London School of Economics and Political Science. Acompanhe a cobertura do evento pelos canais:

> Instagram: @calarjamaisfndc
> Twitter: @fndc_br
> Facebook: fb.com/fndc.br
> Site: fndc.org.br

C
ampanha Calar, Jamais

A campanha Calar Jamais!, lançada em 2016 pelo Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), começa uma nova fase a partir deste 18 de junho, com uma identidade visual atualizada e desenvolvendo uma abordagem ampliada em defesa da liberdade de expressão no país. Até então, a campanha tinha um foco mais específico na denúncia de violações a esse direito. Agora, a ideia é promover atividades e eventos de formação sobre o tema, articular diferentes setores da sociedade civil em defesa da pauta e seguir monitorando os casos graves de violações desse direito que se multiplicam pelo país afora.

Segundo a coordenadora-geral do FNDC, a jornalista Renata Mielli, a conjuntura do país passou a demandar uma revisão da campanha original para dar conta da complexidade de fenômenos que atentam contra a liberdade de expressão na atualidade, incluindo uma dimensão de institucionalização desses ataques e sua ampliação contra setores até então imunes à essas agressões, como a chamada "grande imprensa", mas também contra a educação, cultura e a organização social.

"Percebemos a necessidade de colocar no centro da campanha Calar Jamais! não mais denúncias de casos isolados de violação à liberdade de expressão, mas a necessidade da defesa da liberdade de expressão, da liberdade de pensamento, da livre organização que, infelizmente, são os principais alvos do atual governo. Esse reposicionamento da campanha é para mostrar para sociedade brasileira e para o mundo como estamos vivendo um momento de ataque institucional à este direito fundamental, em suas dimensões mais amplas, inclusive da educação e da cultura", explica.

Nos próximos dias, serão lançados cards informativos explicando a importância da liberdade de expressão, como e quando ocorrem violações a esse direito e mecanismos para proteger e ampliar essa garantia para o conjunto da população. Além disso, os Comitês do FNDC nos estados deverão organizar eventos de lançamento da campanha, haverá distribuição de materiais sobre o tema, incluindo a produção de um vídeo. Também deverão acontecer oficinas e atividades de capacitação no tema.

Leia aqui o Manifesto da Calar Jamais!

Conheça, apoie e divulgue a campanha!

Defender a liberdade de expressão é defender a democracia!

Sobre o FNDC
O Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) congrega entidades da sociedade para enfrentar os problemas da área no país. São mais de 500 filiadas, entre associações, sindicatos, movimentos sociais, organizações não-governamentais e coletivos que se articulam para denunciar e combater a grave concentração econômica na mídia, a ausência de pluralidade política e de diversidade social e cultural nas fontes de informação, os obstáculos à consolidação da comunicação pública e cidadã e as inúmeras violações à liberdade de expressão. A primeira edição do ENDC aconteceu em 2012, em Recife (PE). Na sequência, o ENDC passou por Belo Horizonte (MG), em 2015, e Brasília (DF), em 2017. Da primeira edição pra cá, muita coisa mudou no país. De uma luta propositiva pela democratização da comunicação, a principal tarefa da agenda pelo direito à comunicação passou a ser a denúncia dos ataques à liberdade de expressão e o papel jogado pelas grandes corporações midiáticas nos ataques ao Estado democrático de Direito.