SOBERANIA NACIONAL

 

2021 04 07 mp apagao tuitaco
O governo federal enviou ao Congresso Nacional a Medida Provisória 1031/2021, que trata da privatização da empresa Centrais Elétricas Brasileiras S.A. (Eletrobras), estatal vinculada ao Ministério de Minas e Energia que responde por 30% da energia gerada no país. O Congresso deverá votar essa pauta nos próximos dias, o que poderá colocar a população brasileira em risco.

Para barrar essa tentativa de privatização do governo de Jair Bolsonaro, o Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE) lançou a campanha “Salve a Energia – pelo futuro do Brasil”, que visa denunciar e alertar sociedade e parlamentares sobre os prejuízos da privatização do setor elétrico ao país. “A população que já sofre com a dificuldade de acesso a serviços básicos como saúde, água e seguridade social não pode pagar mais essa conta. O povo brasileiro não merece lidar com ‘apagões’ e aumento desenfreado da conta de luz”, ressalta o site da campanha.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) se engaja nessa campanha e conclama sindicatos filiados e toda a sociedade a aderir a esse movimento. Para a secretária de aposentados e assuntos previdenciários da CNTE, Selene Michielin, essa campanha é importante para a educação pois toda população sofre as conseqüências da política entreguista de Paulo Guedes e Jair Bolsonaro: “A energia é um setor estratégico para a soberania nacional e para o investimento nos serviços essencias, tais como saúde e educação”.

>> A campanha Salve a Energia também está no site Na Pressão - clique aqui para acessar e enviar mensagens aos parlamentares para que eles rejeitem as leis que possam permitir a privatização da Eletrobras.

Os eletricitários publicaram nota de repúdio à MP 1031/2021, lembrando que a Eletrobras é lucrativa, teve superávit de mais de R$ 30 bilhões em três anos, e que a privatização poderá levar a duas consequências: tarifaço e apagão. Leia aqui a nota completa.

>> Acesse o abaixo-assinado da campanha e faça sua adesão

Saiba mais sobre a tentativa de privatização da Eletrobras

A MP 1031/2021 foi apresentada no dia 23 de fevereiro e o prazo de 60 dias para ser apreciada começou a correr no dia 24 de fevereiro. Esse período pode ser prorrogado por mais 60 dias. Essa é a terceira tentativa do governo de privatizar a Eletrobras em anos recentes.

A primeira vez foi em janeiro de 2018, por meio do PL 9463/18. O projeto chegou a ser discutido em comissão especial, mas não foi votado. A segunda vez foi em novembro de 2019 (PL 5877/19). Agora, o governo espera avançar na privatização por meio de medida provisória, que tem vigência imediata.

Participe do tuitaço
Nesta quinta-feira, 8 de abril, às 14h, a campanha Salve a Energia vai promover o tuitaçõ com a tag #MPdoApagão para alertar a sociedade sobre os perigos da privatização do setor de energia. 

Clique aqui para acessar as sugestões de tuites da campanha
Acesse aqui os cards da campanha

tt mp do apagao 2021 04 08
(Com informações do Coletivo Nacional dos Eletricitários e da Agência Câmara de Notícias)